record

Thesis Info

LABS ID
00186
Title
COLLECTIVE SELF-PORTRAIT: Poetics of Opening to the Spectator in the [De]Construction of a Collective Identity. AUTO-RETRATO COLETIVO: Poéticas de Abertura ao Espectador na [Des]Construção de uma Identidade Coletiva.
Author
NARDO GERMANO
2nd Author
NULL
3rd Author
NULL
Degree
Master's Degree in Art
Year
2007
Number of Pages
188
University
University of São Paulo, Brazil
Thesis Supervisor
Monica Tavares
Supervisor e-mail
NULL
Other Supervisor(s)
NULL
Language(s) of Thesis
portuguese
Department / Discipline
Arts department - School of Communications and Arts - USP
Languages Familiar to Author
portuguese, english, french, spanish
URL where full thesis can be found
www.nardogermano.com/research/thesis
Keywords
1.Collective Self-Portrait; 2.Open Work; 3.Dialogism and Polyphony; 4.Participation and Interactivity; 5.Play and Action Poetics; 6.Identity and Alterity; 7.Collective Body; 8.Photography and Digital Media. 1.Auto-Retrato Coletivo; 2.Obr
Abstract: 200-400 words
The object of this dissertation of Master's degree is composed by NARDO GERMANO's series “AUTO-RETRATO COLETIVO” (“Collective Self-Portrait”). Organized artistically as critical repository of a collective identity – its central theme –, the series is constituted of hybrid self-portraits between the Individual and the Collectivity, discussing the construction of identities characterized by social stigmata. The works that compose the series are: 1)“Auto-Objeto”; 2)“Sujeitos”; 3)“Auto-Retrato por Metro Quadrado”; 4)“Cabeça Defronte”; 5)“Auto-Retr_Ato_Coletivo”; 6)“Especulares #7”; 7)“Corpo Coletivo”; 8)“AlterEgo”; 9)“ANDROMAQUIA on-line”; and 10)“Doe Seu Rosto/Give Me Your Face”. The current artistic research gives continuity to the “Auto-Objeto”(1987), an art-work composed by panels of self-portraits without negative obtained at Photomaton Cabin, and organized through a process of scanning an immanent group of the art-work “Sujeitos”(1987), collages accomplished with acephalous self-portraits, cuttings of texts, images and newspaper headlines. In this phase, in order to establish new counterpoints to the monologic official speech about identity as well as to the concept of an authority of the artist as author that controls the meanings of the art-work, the creation worked with the following hypothesis: the investment in the opening degrees to the reception can promote the necessary dialogism and polyphony, with the inclusion of the spectators' alterity, expressions and points of view in the notion of collective identity in the art-works, considering the concepts of Umberto Eco’s “open work” and Mikhail Bakhtin’s “dialogism and polyphony”. The present dissertation describes those original art-works – as internal paradigms of the creation – and the art-works produced during this artistic research, focusing in the dialogical propositions of open poetics, as well as in the strategies of participation and interactivity implemented, in real ambience and/or through the technological media. The text explicits and reflects the poetics of opening to the spectator involved in the reception, proving finally the work hypothesis. In short, with respect to the results on the proposed theme, the conclusion is that “Collective Self-Portrait” promotes a continuous movement of construction and deconstruction of identities, possible by the poetical openness to the spectators who, converted into participants and/or interactors, cumulatively renew, expand and problematize the collective identity, enrolling it in the Utopian dimension of Open Identities. (portuguese) O objeto desta dissertação de Mestrado é composto pela série “Auto-Retrato Coletivo” de NARDO GERMANO. Organizada artisticamente como repositório crítico de uma identidade coletiva – seu tema central –, a série constitui-se de auto-retratos híbridos entre o Indivíduo e o Coletivo, questionando a construção identitária marcada por estigmas sociais. As obras que compõem a série são: 1)“Auto-Objeto”; 2)“Sujeitos”; 3)“Auto-Retrato por Metro Quadrado”; 4)“Cabeça Defronte”; 5)“Auto-Retr_Ato_Coletivo”; 6)“Especulares #7”; 7)“Corpo Coletivo”; 8)“AlterEgo”; 9)“ANDROMAQUIA on-line”; e 10)“Doe Seu Rosto/Give Me Your Face”. A atual pesquisa artística dá continuidade a “Auto-Objeto”(1987), uma obra composta por painéis de auto-retratos sem negativo obtidos em cabine Fotomática, e articula-se a partir da digitalização de um conjunto imanente da obra “Sujeitos”(1987), colagens realizadas com auto-retratos acéfalos, recortes de textos, imagens e manchetes de jornal. Com o objetivo de, nesta fase, estabelecer novos contrapontos ao discurso monológico identitário oficial bem como ao conceito de uma autoridade do artista como autor que controla os sentidos da obra, a criação partiu da hipótese de que o investimento nos graus de abertura à recepção podem promover o dialogismo e polifonia almejados, com a inclusão da alteridade, das expressões e dos pontos de vista dos espectadores na noção de identidade coletiva veiculada nas obras, considerando os conceitos de “obra aberta” de Umberto Eco bem como de “dialogismo e polifonia” de Mikhail Bakhtin. A presente dissertação discorre sobre aquelas obras originais – como paradigmas internos da criação – e sobre as obras produzidas durante esta pesquisa artística, focando nas proposições dialógicas de poéticas abertas, bem como nas estratégias de participação e interatividade então implementadas, realizadas em ambiente real e/ou através dos meios tecnológicos. O texto explicita e reflete sobre as poéticas de abertura envolvidas na recepção, comprovando por fim a hipótese de trabalho. Em suma, no que tange aos resultados sobre o tema proposto, conclui-se que “Auto-Retrato Coletivo” promove um movimento contínuo de construção e desconstrução identitária possibilitado pela abertura poética aos espectadores que, convertidos em participantes e/ou interatores, cumulativamente renovam, expandem e problematizam a identidade coletiva, inscrevendo-a na dimensão Utópica de Identidades Abertas. Composta por três capítulos, introdução e conclusão, a dissertação está organizada da seguinte forma: INTRODUÇÃO CAPÍTULO 1 — AUTO-RETRATO HÍBRIDO ENTRE O INDIVÍDUO E O COLETIVO 1.1. Pequeno Contexto Histórico-Artístico 1.1.1. Fotografia e Identidade 1.1.2. Fotografia e Não-Identidade 1.2. Identidade e Indivíduo 1.2.1. “Auto-Retrato em Natureza Morta” 1.3. Identidade e Identificação 1.3.1. “Auto-Objeto” 1.3.2. “Sujeitos” 1.4. Pêndulo Dialógico 1.4.1. Poética Predominante em “Auto-Objeto” 1.4.2. Poética Predominante em “Sujeitos” 1.4.3. Encaminhamento para Novas Aberturas Dialógicas CAPÍTULO 2 — O CORPO A CORPO COM O ESPECTADOR 2.1. Projeções Identitárias: Jogos de Simulacro 2.1.1. “Especulares #7” 2.1.2. “Auto-Retrato por Metro Quadrado #1” 2.2. “Auto-Retr_Ato Coletivo”: Inversão do Discurso Ideológico 2.3. “Cabeça Defronte”: Um Ambiente Identitário 2.4. “Corpo Coletivo”: Performances Participativas CAPÍTULO 3 — AUTO-RETRATO COLETIVO ON-LINE: PRESENÇAS DISTANTES 3.1. “AlterEgo”: o Dialético e o Dialógico 3.1.1. Primeiro Nível: Anti-Efeito de Liberdade 3.1.2. Segundo Nível: Corpo Coletivo Virtual - Entre o Icônico e o Indicial 3.2. “ANDROMAQUIA On-Line”: Identidades Políticas 3.2.1. Primeiro Momento: Exercício Dialógico no Contexto do Outro 3.2.2. Segundo Momento: Identidade em Poiesis: o significado enquanto problema 3.2.3. Terceiro Momento: Instantaneidade e Inclusão 3.3. “Doe seu Rosto/Give me your Face”: Identidades Metonímicas 3.3.1. Entre o Presencial e a Telepresença 3.3.2. Auto-Retrato e Auto-Referência CONCLUSÃO: IDENTIDADES UTÓPICAS / IDENTIDADES ABERTAS